segunda-feira, 30 de julho de 2018

Descongestionante nasal pode piorar o glaucoma, diz oftalmo

Mal começou a esfriar e 1.326 brasileiros já contraíram gripe pelo vírus influenza desde janeiro. Pior: Até agora são 214 óbitos em todo o país, sendo 128 pelo H1N1, conforme o último boletim do Ministério da Saúde. A chegada de dias mais frios e secos aumenta a incidência das doenças respiratórias e entope o nariz. Resultado: Muita gente usa descongestionante nasal como se fosse água.

Segundo o oftalmologista Leôncio Queiroz Neto, do Instituto Penido Burnier, a maioria dos remédios para nariz contraem os vasos do corpo todo e é por isso que alivia o entupimento. “O problema é que a medicação provoca inflamação nas paredes internas das narinas, o efeito passa rápido e para diminuir o desconforto é necessário pingar o remédio em intervalos cada vez menores”, afirma. Por isso, alerta, pode piorar o glaucoma, maior causa de perda definitiva da visão que afeta cerca 2% da população segundo o CBO (Conselho Brasileiro de Oftalmologia).

Efeito nos olhos
Queiroz Neto explica que o glaucoma é uma doença crônica que não causa dor ou qualquer sintoma no início. Quanto antes for diagnosticada maiores são as chances de manter a visão. “A elevação da pressão intraocular causada pelo bloqueio do escoamento do humor aquoso, líquido que preenche o globo ocular, é o principal fator que provoca a morte das células ganglionares da retina e seus axônios, as fibras do nervo óptico. A morte dessas células leva à perda permanente da visão periférica” afirma.

Também contribui com a progressão da doença a baixa perfusão ocular, ou seja, a menor circulação sanguínea, de humor aquoso e medicamento, salienta. “É por isso que ao contrair todos os vasos do corpo, inclusive do globo ocular, o uso prolongado de descongestionante nasal piora o glaucoma”, destaca. Isso explica porque algumas pessoas que usam corretamente os colírios antiglaucomatosos têm progressão da perda visual”.

Quem deve estar atento
O oftalmologista ressalta que os principais grupos de risco para desenvolver o glaucoma são as pessoas de raça negra, portadores de alta miopia, diabetes, quem tem mais de 40 anos, córnea fina, já passou por trauma ocular ou possui familiares com a doença. Por prevenção, afirma, estes grupos devem fazer exame de vista periodicamente. Isso porque, é necessário perder mais de 40% dos axiomas do nervo óptico para que a redução do campo de visão seja percebida e o custo do tratamento é três vezes maior quando a doença já está em estágio avançado.

A dica do médico para aliviar o nariz entupido é higienizar com soro fisiológico de manhã e à noite. Não desaparecendo o sintoma, recomenda consultar um otorrino para descobrir a causa. Isso porque, além de agravar o glaucoma, o uso de descongestionante  pode causar hipertensão arterial e doenças cardíacas.´

Colírio gratuito
Queiroz Neto afirma que tanto os colírios como as medicações orais para glaucoma são distribuídos gratuitamente nas farmácias de alto custo. Para ter acesso é necessário apresentar cópia do CSN (Cartão Nacional de Saúde) que pode ser retirado no centro de saúde mais próxima da residência do requerente, laudo preenchido pelo médico, receita em duas vias, termo de consentimento do paciente, cópias do RG, CPF e comprovante de residência. Os modelos tanto do laudo médico como do termo de consentimento encontram-se disponíveis nos sites das secretarias de saúde de cada cidade. A liberação demora de 14 a 45 dias. (LDC)

Tecnologia e segurança nos automóveis da Fiat


 Empresa realiza treinamento para revendedores e despachantes em Nova Odessa

A FCA (Fiat Chrysler Automobiles), empresa do Grupo Fiat, realizou um grande encontro, no dia 5 de julho, no Kartódromo Internacional de Nova Odessa. O evento reuniu dezenas de revendedores da marca e despachantes que atuam no segmento de isenção de impostos para pessoas com deficiência de todo o interior de São Paulo.

Durante a explanação o consultor especial de vendas da Fiat, Miguel Saliba, ressaltou todas as qualidades dos veículos produzidos e comercializados pela marca, especialmente nos quesitos que atendem as necessidades das pessoas com deficiência.

Entre os modelos apresentados estavam os modelos Jeep (Renegade, Compass e Longitude), Moby, Argo, Siena e Kronos. De acordo com Saliba, um dos maiores atrativos dos modelos Fiat está justamente na tecnologia e segurança, “itens que atendem perfeitamente as necessidades e exigências, dos consumidores com e sem deficiência”.

No final do evento os visitantes puderam fazer um teste drive nas pistas do kartódromo e sentir a potência, a segurança e a boa performance dos automóveis apresentados no encontro.
Para saber mais sobre os veículos produzidos pela Fiat basta acessar o site www.fiat.com.br.

Para saber mais sobre a isenção de impostos para a aquisição destes automóveis por pessoas com deficiência os interessados podem ligar para (19) 3756-1110.

Aspirina pode combater Alzheimer, revela novo estudo americano

Um tratamento com baixas doses de aspirina pode ser um novo caminho para enfrentar a doença de Alzheimer, protegendo a memória dos pacientes, de acordo com novo estudo feito por cientistas americanos.

Segundo os autores, um dos principais mecanismos responsáveis pela progressão da doença é uma perda de capacidade do organismo para remover as placas formadas no cérebro - especialmente no hipocampo - pela proteína tóxica beta amiloide. A partir da avaliação de um grande conjunto de estudos que demonstravam a ligação entre a aspirina e o risco reduzido de prevalência de Alzheimer, os cientistas mostraram que o medicamento reduziu as placas de beta amiloide em camundongos, ao estimular a ação dos lisossomos - um componente das células de animais que ajuda limpar os detritos celulares.

A pesquisa, realizada por cientistas da Universidade Rush, em Chicago (EUA), foi publicada nesta segunda-feira, 2, na revista científica The Journal of Neuroscience. "Nosso estudo identificou um possível novo papel para um dos medicamentos mais amplamente utilizados no mundo", disse o autor principal do estudo, Kalipada Pahan.

Até agora, a FDA - a agência reguladora americana para alimentos e medicamentos - tem poucas drogas aprovadas para o tratamento da doença de Alzheimer - que afeta a memória e é considerada o tipo de demência mais comum no mundo - e os fármacos disponíveis fornecem só alívio limitado dos sintomas.

No novo estudo, durante um mês, os pesquisadores deram baixas doses de aspirina, por via oral, a camundongos que haviam sido geneticamente modificados para desenvolverem a doença de Alzheimer. Depois, a equipe avaliou a quantidade de placas de proteína beta amiloide nas partes do cérebro mais afetadas pela doença. "A aspirina estimulou os lisossomos e reduziu o acúmulo de placas nos cérebros dos animais." (G1)

Bill Gates lança fundo milionário para a pesquisa do Alzheimer

Um dos principais problemas no tratamento do Mal de Alzheimer ainda é o diagnóstico. De acordo com pesquisas, a doença começa a atingir o cérebro até uma década antes dos sintomas mais expressivos se manifestarem, o que torna o diagnóstico processe é a chave para uma melhor qualidade de vida do paciente.

Hoje, o modo de diagnóstico do Mal de Alzheimer ainda é nebuloso para a ciência e desconfortável para o paciente. Ele começa com um teste cognitivo. Depois, o médico pode pedir uma punção lombar ou uma tomografia computadorizada por emissão de pósitrons (PET) — exames caros e fisicamente desagradáveis — para confirmar a doença. Contudo, a conclusão definitiva ainda só é possível por meio de uma autópsia após morte.

Diagnostics Accelerator
Foi por isso que, após enfrentar o Alzheimer do pai, Bill Gates se juntou com alguns amigos para criar o fundo Diagnostics Accelerator. O projeto da Alzheimer’s Drug Discovery Foundation (ADDF) visa acelerar novas ideias para o diagnóstico precoce da doença. Na semana passada, Bill se reuniu com a uma série de doadores para aplicar US$ 30 milhões ao fundo.

O grande objetivo do fundo é, mais do que acelerar pesquisas, viabilizar produtos reais que possam ajudar pessoas de verdade. Por isso, Bill Gates encoraja estudiosos que tenham boas ideias, mas não os recursos necessários, a procurar a página do fundo e apresentar seus projetos. “Imagine um mundo no qual diagnosticar o Mal de Alzheimer é tão simples quanto fazer um exame de sangue durante um exame físico anual. Pesquisas sugerem que o futuro não está tão longe e a Diagnostics Accelerator nos aproxima mais um passo”, acredita o investidor. (Fonte: Gates Nots)

Mal de Alzheimer atinge mais de 1 milhão de brasileiros



A Associação Brasileira de Alzheimer estima que 1,2 milhão de pessoas sofrem do Mal de Alzheimer, doença neurodegenerativa que provoca progressiva deterioração das funções cerebrais. A perda de memória, da linguagem e da razão fazem com que o doente seja incapaz de cuidar de si mesmo.

O geriatra e cardiologista Neif Musse diz que ainda não se sabe o que causa o Alzheimer e nem foi descoberta uma cura, mas as estatísticas mostram que enfermidade pode surgir a partir dos 50 anos, embora tenha maior incidência em idosos. “Devido ao envelhecimento da população, o número de pacientes com esse tipo de demência pode dobrar dentro de 12 anos e triplicar até 2050, segundo as estimativas”, alerta o médico.

Os primeiros sinais do Alzheimer são a perda de memória e de orientação no tempo e espaço. Segundo o geriatra, esquecimentos esporádicos, como não lembrar o nome de um conhecido ou onde colocou as chaves do carro são normais em qualquer idade. “O problema é quando a pessoa não se lembra de uma conversa que teve há poucos minutos ou como fazer coisas simples, como um chá ou café, que preparou a vida inteira”, detalha Musse.

Mudança de humor, depressão, irritabilidade e resistência a sair da rotina  também são sintomas frequentes em pacientes com Alzheimer. “Na verdade, o paciente nota que algo está errado, não sabe lidar com isso, e vai se fechando. Por isso, é importante estimular o convívio social do idoso, a alimentação saudável e a prática de atividades físicas, fatores que reduzem o risco de surgimento da doença”, recomenda Neif Musse.

Ao perceber mudanças de comportamento e humor, notar a perda de habilidades domésticas ou de interesses por hobbies, além de desorientação e falhas na memória e linguagem, procure um médico para a realização de um diagnóstico preciso. Embora o Alzheimer não tenha cura, existem muitas atitudes que podem ser tomadas para retardar a perda das funções cognitivas. Quanto antes o tratamento for iniciado, melhor.

DR. NEIF MUSSE
Formado em Medicina pela Universidade Federal de Juiz de Fora, e mestre pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Neif Sathler Musse completou 33 anos de profissão em 2017. Com especialização em cardiologia e geriatria e gerontologia, tem forte vivência em docência médica, sendo criador da "Escola de Aperfeiçoamento Médico" e de um método diferenciado para o ensino de eletrocardiografia, que já capacitou mais de 15 mil profissionais de Saúde no Brasil, a maioria deles nas áreas de cardiologia, medicina intensiva, anestesiologia e clínica médica.

Dentre os cursos ministrados pelo Dr. Neif estão em destaque: "Eletrocardiograma teórico-prático", "Preparatório para plantões médicos" e "Radiografias e tomografias do tórax para os clínicos", que acontecem em Belo Horizonte, Juiz de Fora e Rio de Janeiro.  Além das aulas, o médico realiza atendimentos em consultórios no Rio de Janeiro e Juiz de Fora e faz questão de manter visitas regulares, em domicílio, aos pacientes idosos, por acreditar na importância da relação próxima entre o médico e o paciente como fator decisivo no processo terapêutico. A agenda se completa com plantões semanais em unidade cardiointensiva.

O médico ainda divide o tempo com a produção de livros. Publicou "Casco vazio de ser humano - Crônicas sobre a morte" e se prepara para mais dois lançamentos: "Estou infartando. E agora?" e "O Pacto do futuro médico". (Blues Idea)

domingo, 29 de julho de 2018

Chegou o Yaris, a nova opção da Toyota para o setor de PCD´s


Chegou ao Brasil o novo Yaris, carro global da Toyota, sucesso de vendas em diversos países do mundo e sinônimo do autêntico QDR (Qualidade, Durabilidade e Confiabilidade) da marca japonesa.

O Yaris é o carro para um novo momento da indústria e do mercado automobilístico, onde as expectativas dos consumidores são cada vez mais altas e os automóveis são vistos como formas de expressão. Por isso, o Yaris foi pensado para cativar à primeira vista.

Com design harmonioso e cheio de estilo, excelente espaço interno e qualidade interior impressionante, o Yaris é um carro “One Class Above”, ou seja, digno de produtos de categoria superior, e foi feito para representar um novo momento na vida das pessoas.

Para isso, sua concepção levou em consideração cinco pontos importantes:

Design avançado e emocional – tanto a versão hatch como a sedã possui desenho primoroso, elegante, digno de um veículo de próxima geração no segmento B premium.

Conforto expansivo – interior espaçoso, onde todos os passageiros sentam-se confortavelmente. Destaque para a ausência do túnel traseiro, o que faz com que o assoalho seja completamente plano.
Dirigibilidade e silêncio a bordo – Rodar silencioso e macio garantem uma experiência agradável para todos os ocupantes.

Eficiência dinâmica – uma das principais características dos carros Toyota foi ainda mais aprimorada no Yaris.

Tecnologia e Segurança – Controle de estabilidade e tração para todas as versões e sete airbags na versão topo de linha são os destaques.

Disponível nas carrocerias hatch e sedã, o modelo conta com os motores 1.3 e 1.5 litro Dual VVT-i que já equipam o Etios e fazem do compacto um exemplo de conforto, dirigibilidade e economia de combustível; transmissão automática CVT e manual de seis velocidades, além de uma recheada lista de itens de conveniência, tecnologia e segurança em todas as versões, como vidros e travas elétricos, controle de estabilidade, tração e assistente de subida em rampa, faróis com regulagem elétrica e acendimento automático, roda de liga leve de 15” e faróis de neblina.

Em Campinas o lançamento aconteceu no Espaço Guanabara e foi promovido pela Nippokar, parceira da Revista Gente Ciente. O evento reuniu centenas de pessoas que foram conferir de perto a grande novidade da Toyota.

Vale lembrar que o veículo é mais uma grande opção para o segmento de pessoas com deficiência, por reunir todos os requisitos necessários, como segurança, tecnologia, espaço interno e preço dentro das determinações da legislação.

Para saber mais sobre este carrão da Toyota basta acessar o site www.nippokar.com.br.
Para saber mais sobre os processos de isenção para os veículos Toyota basta ligar para (19) 3756-1110.



RETROCESSO - Estados ratificam nova regra para isenção de ICMS

Membros da ABRIDEF discutiram o assunto com instituições e o governo paulista em SP

Confaz ampliou para quatro anos o tempo no qual a pessoa com deficiência pode renovar o desconto do imposto na compra do carro zero.  

Apenas São Paulo e Goiás rejeitaram a alteração.

Está ratificado o Convênio ICMS-50/18, que aumenta de dois anos para quatro anos o tempo no qual a pessoa com deficiência pode renovar o pedido de isenção do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços na compra de carro novo. A modificação na regra foi estabelecida na 169ª reunião extraordinária do Conselho Nacional de Política Fazendária (Confaz), órgão ligado ao Ministério da Fazenda, no dia 5 de julho, e precisava da con
firmação da maioria dos 27 estados brasileiros até o dia 25 de julho. Rejeitaram a alteração somente as secretarias de Fazenda de São Paulo e Goiás.

O coordenador de secretários do Confaz e secretário de Tributação do Rio Grande do Norte, André Horta Melo, afirmou que conceder benefícios fiscais não é a melhor forma de incluir a pessoa com deficiência na sociedade.

“Isso tem de ser feito com transporte público de qualidade e com políticas públicas. O propósito dessa isenção foi distorcido e a proporção do benefício está extrapolada”, destacou o secretário. “A concessão de benefícios fiscais tem sido um problema em diversas áreas, comprometendo 4% do PIB brasileiro, quando na maioria dos países chega, no máximo, a 2%”.

O coordenador comentou que, no mercado automotivo atual, os carros têm até cinco anos de garantia. “Essa extrapolação do benefício está prejudicando as pessoas com deficiência porque os estados estão perdendo arrecadação”, ressaltou Horta Melo.

FRAUDES
“As pessoas com deficiência estão pagando pela falta de monitoramento para tentar combater as fraudes desse processo”, diz a deputada federal Mara Gabrilli (PSDB/SP).

“Em um momento no qual nosso segmento defende o aumento do teto (hoje fixado em R$ 70 mil) para aquisição do automóvel com isenções, o Confaz vai na direção contrária às nossas demandas, à Lei Brasileira de Inclusão e à Convenção da ONU”, destaca a deputada. “É uma decisão de secretários que tratam da arrecadação do Estado e não têm nenhum envolvimento com nossa causa”.

Gabrilli ressalta que o prazo estipulado pelo Decreto nº 5296/2004 para que todo o transporte público disponível no País seja totalmente acessível foi encerrado em 2014. “São determinações ainda não obedecidas. Por isso, é essencial esclarecer que, para pessoas com deficiência, carro não é luxo, mas uma necessidade”.

A parlamentar comenta ainda a importância da regulamentação do Índice de Funcionalidade Brasileiro (IF-Br) e a aplicação da avaliação biopsicossocial, proposta na LBI, que devem criar um filtro para definir quem realmente tem direito às isenções na compra de um carro.

RETROCESSO
Desde a publicação do Convênio 50/18, no começo de julho, pelo Confaz, houve uma grande movimentação da sociedade civil, da imprensa especializada como as revistas Gente Ciente e Reação, das instituições e ONGs de defesa das pessoas com deficiência e da ABRIDEF (Associação Brasileira da Indústria, Comércio e Serviços de Tecnologia Assistiva) na tentativa de barrar a medida que vai prejudicar milhares de pessoas em todo o Brasil.

Até então o prazo para a renovação do benefício da isenção do ICMS era de dois anos, tal como é hoje o prazo para a isenção do IPI, que é um imposto federal, permitindo a troca do veículo isento de impostos no prazo de dois anos. Com a nova determinação do Confaz os deficientes terão um prazo bem maior para fazer uso do direito ao benefício fiscal na esfera estadual.

“A determinação do Confaz é um grande retrocesso no processo de conquistas e avanços dos direitos das pessoas com deficiência. O mercado automotivo brasileiro é bastante aquecido neste setor e em algumas cidades a vendas de veículos para PCD´s competem diretamente em quantidade com o segmento de pessoas sem deficiência”, lembrou José Roberto Guimarães, diretor da Revista Gente Ciente e especialista nos processos de isenção de impostos.

“Além disso vai haver uma certa confusão com os impostos na hora do deficiente adquirir o carro. IPI com prazo de dois anos, ICMS com prazo de quatro anos, cada qual com sua documentação específica, entre outros. Lutamos muito para que o prazo fosse reduzido para dois anos nas duas esferas e agora o Confaz, sem ouvir o setor, resolver dificultar ainda mais a vida destas pessoas e isso é inaceitável”, frisou Guimarães.

Para Rodrigo Rosso, presidente da ABRIDEF, a medida é prejudicial para todos. “Infelizmente apenas dois estados se posicionaram contra o Convênio e o Confaz publicou a redução do prazo no Diário Oficial. Nós, da ABRIDEF, já estamos tomando as medidas legais cabíveis, para que este ato de injustiça, e principalmente, de ilegalidade, possa ser devidamente corrigido”, ressaltou.

Para saber mais sobre o assunto e também sobre os processos de isenção para pessoas com deficiência, os interessados podem ligar para (19) 3756-1110. (Estadão/Gente Ciente)

terça-feira, 3 de julho de 2018

Mara Gabrilli é eleita para Comitê da ONU para PcD´s

A deputada federal Mara Gabrilli (PSDB) será um dos novos integrantes do Comitê da ONU sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência (CDPD), no período 2019 – 2022. Concorrendo com outros 21 candidatos, a representante brasileira foi eleita em segundo turno, com o voto de 103 países dentre os 175 que votaram. No primeiro turno, Mara recebera 85 votos. A votação ocorreu no dia 12 de junho, durante a 11ª Conferência dos Estados Partes da Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência, em Nova York.

É a primeira vez que um representante brasileiro integrará o CDPD. Responsável por monitorar a implementação da Convenção, o Comitê reúne 18 membros de diferentes países, peritos na temática da pessoa com deficiência. “Será uma honra representar o Brasil perante as Nações Unidas.
Poderemos fazer um trabalho enriquecedor, com o intercâmbio de experiências em políticas públicas para pessoas com deficiência, trazendo para o Brasil o que foi bem sucedido lá fora e levando para outros países as conquistas que já tivemos por aqui”, comemora Mara.

A eleição é realizada pelos países signatários da Convenção – atualmente, 177 Estados têm direito a voto. Com nove vagas em disputa, 22 países apresentaram candidatos, o que fez dessa eleição a mais concorrida do histórico das Nações Unidas. A candidatura de Mara Gabrilli foi construída com o apoio dos três poderes e da sociedade civil.

Além de Mara Gabrilli, foram eleitos os representantes da Lituânia, Nigéria, Austrália, Suíça, Coréia do Sul, Gana, México e Indonésia.

O CDPD se reúne em Genebra, na Suíça, duas vezes ao ano e muitos de seus trabalhos ocorrem remotamente e através de videoconferência. Por isso, representar o Brasil na ONU não a impedirá que Mara Gabrilli concorra nas eleições nacionais deste ano, nas quais é pré-candidata ao Senado pelo PSDB de São Paulo.

Sobre a Convenção
Há dez anos, em 13 de dezembro de 2006, a Assembleia Geral da ONU adotou resolução que estabeleceu a Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência, com o objetivo de “proteger e garantir o total e igual acesso a todos os direitos humanos e liberdades fundamentais por todas as pessoas com deficiência, e promover o respeito à sua dignidade”. Atualmente, 177 países ratificaram a Convenção e outros 11 são signatários. No Brasil o documento foi ratificado pelo Congresso Nacional em 2008 e internalizado em 2009, com status de emenda constitucional.

Mara Gabrilli
Tetraplégica em função de um acidente de carro em 1994, Mara Cristina Gabrilli é psicóloga, publicitária e deputada federal em seu segundo mandato. Fundou em 1997 o Instituto Mara Gabrilli, que desenvolve programas de defesa de direitos das pessoas com deficiência, promove o Desenho Universal e fomenta projetos esportivos, culturais e pesquisas científicas.

Além de comandar programas de rádio e manter colunas na mídia impressa sobre temas pertinentes às pessoas com deficiência, foi vereadora na Câmara Municipal de São Paulo (2007-2010) e a primeira titular da Secretaria Municipal da Pessoa com Deficiência e Mobilidade Reduzida na cidade de São Paulo, no período entre 2005 e 2007.

Atualmente é deputada federal por São Paulo e, na Câmara dos Deputados, é presidente da Comissão de Defesa dos Direitos das Pessoas com Deficiência, membro titular da Comissão de Seguridade Social, integra a Frente Parlamentar Mista do Congresso Nacional em Defesa dos Direitos das Pessoas com Deficiência e preside a Frente Parlamentar Mista de Atenção Integral às pessoas com doenças raras.

Foi relatora e autora do texto substitutivo da LBI – Lei Brasileira de Inclusão, que entrou em vigor em 2016, após consulta pública e ampla participação da sociedade civil na sua estruturação. (Assessoria)

SP poderá conceder Carteira de Identificação ao Autista

A Assembleia Legislativa (Alesp), por meio da Comissão de Constituição, Justiça e Redação (CCJR), retomou, em junho, a análise do Projeto de Lei 2947/18, do deputado Marcio Camargo (PSDB), que trata sobre a criação da Carteira de Identificação do Autista (CIA) para a pessoa diagnosticada com o Transtorno do Espectro Autista (TEA).

A intenção é facilitar a identificação da pessoa autista para que tenha assegurada os seus direitos, inclusive o do atendimento preferencial. A iniciativa de Marcio Camargo está fundamentada no Estatuto da Pessoa com Deficiência, por meio da Lei nº 12764/2012, instituída com base nos programas e projetos da Convenção Internacional sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência.

O parlamentar explicou que a carteira de identificação poderá trazer uma série de benefícios não somente ao autista, mas à sua família. "A carteira, além de manter os direitos dos autistas reservados, também vai auxiliar na localização da família. Por esse motivo, pedimos a inclusão no documento de dados básicos, como endereço e telefone, bem como o nome do responsável", disse.

Caso o Projeto de Lei seja aprovado, os interessados na Carteira de Identificação do Autista (CIA) deverão apresentar relatório médico atestando o diagnóstico de Transtorno do Espectro Autista, que deverá ser expedido por médico especialista em Neurologia ou Psiquiatria. O Transtorno é o distúrbio neurológico caracterizado por comprometimento da interação social, comunicação verbal e não verbal e o comportamento restrito e repetitivo da pessoa.

Tramitação
Após ser aprovado pela CCJR, o Projeto de Lei 2497/18 será encaminhado para as comissões permanentes de Defesa dos Direitos da Pessoa Humana, da Cidadania, da Participação e das Questões Sociais (CDD); e de Finanças, Orçamento e Planejamento (CFOP). Em seguida, caso não haja nenhum impedimento, será inserido na Ordem do Dia para apreciação e votação final. (Fonte: Portal Terra)